Você já ouviu falar sobre a Síndrome de Irlen?

Aqui no CAOE já atendemos um caso, em 2014. Um jovem de Cuiabá, dependente químico, portador dessa síndrome.

Após a descoberta, conseguiu prosseguir o tratamento e se reabilitar. Fez (o supletivo) a Adequação Escolar no CAOE e entrou na Universidade Federal em Educação Corporal. Foi realmente um case de sucesso!

No vídeo a seguir, Marcia Luz faz uma explicação detalhada sobre a Síndrome de Irlen.
Confira e compartilhe:

Vamos entender o que é a Síndrome de Irlen

Trata-se de uma dificuldade relacionada à Manutenção da Atenção, Compreensão e Memorização e à atividade ocular durante a leitura, cuja consequência é um déficit de Aprendizado, que pode comprometer o comportamento do indivíduo e suas Relações Sociais. A Síndrome de Irlen – que recebeu o nome da Dra. Helen Irlen, psicóloga americana responsável pela descoberta e pelos estudos internacionais sobre o assunto – ainda é muito pouco difundida no Brasil, apesar de já existirem Centros de Diagnóstico e Tratamento em 42 Países.

A Síndrome de Irlen pode afetar pessoas de todas as idades

Pesquisas indicam que cerca de 46% das pessoas com dificuldades escolares TEM Síndrome de Irlen, condição que afeta PESSOAS de todas as idades, com Inteligência Normal ou Superior à média e está relacionada à desorganização no cérebro, das INFORMAÇÕES recebidas pelo Sistema Visual.

Pesquisas realizadas no Brasil são ainda mais alarmantes: a cada 7 crianças ao menos uma apresenta algum nível de dificuldade relacionada ao Irlen!

E o que causa o Irlen?

Sua causa é uma sensibilidade extrema a certas ondas de luz, o que provoca, por exemplo, distorções em materiais de leitura e escrita, resultando em menor qualidade no desempenho escolar e de vida. Por favor, não confunda com uma simples fotofobia, ou sensibilidade aumentada para a claridade, não é disso que estamos falando. O problema é muito mais complexo.

Essa sensibilidade extrema a certas ondas de luz gera dificuldades nas atividades diárias e escolares, pois produz perda de foco, distorções principalmente em material gráfico ou mapas, inversões de letras, trocas de palavras, perda de linhas num texto, desconforto nos olhos, cansaço, distração, sonolência, dores de cabeça, enxaqueca, hiperatividade, irritabilidade, enjôo e fotofobia, tudo isso após um intervalo relativamente curto de esforço despendido, na tentativa de realizar o processamento das informações visuais.

Síndrome de IRLEN

Esses sintomas podem levar os profissionais da saúde a erroneamente e por total desconhecimento da Síndrome de Irlen a diagnosticar seu filho como tendo dislexia, déficit de atenção, autismo, hiperatividade, problemas de processamento auditivo e até esquizofrenia, pois o cérebro de quem sofre de Irlen é super estimulado, podendo provocar o aparecimento de alucinações visuais, auditivas e até cinestésicas.

Mas o médico de sua confiança pode ter se enganado tanto no diagnóstico de seu filho? Pode sim, simplesmente porque ele NUNCA OUVIU FALAR da Síndrome de Irlen!

E como é o tratamento da Síndrome de Irlen?

São feitas intervenções psicopedagógicas e médicas para preparar a criança para lidar com a sua diferença, mas boa parte das limitações já é sanada com a utilização do método Irlen, que consiste na avaliação do problema e indicação de sobreposições coloridas chamadas de overlay (transparências de acetato) sobre os textos ou filtros seletivos (lentes coloridas em óculos que recebem um tratamento nos Estados Unidos). As transparências de acetato, ou overlay são colocadas sobre o texto ou em frente à tela do computador, filtram o excesso de luz e permitem que a criança enxergue normalmente.

Já os óculos com lentes coloridas e especiais facilitam o dia a dia da criança e devem ser usados o tempo todo, inclusive em ambiente fechado, porque a luz branca, que é a mais comum em escolas, supermercados e estabelecimentos comerciais de modo geral, é a mais prejudicial para o Irlen, inclusive mais incômoda do que a luz solar.

Os óculos demoram cerca de 40 dias para ficarem prontos e até lá minha filha está utilizando o overlay para realizar as leituras e tarefas escolares. A cor das lentes varia de acordo com a faixa de luz que precisa ser filtrada, e não com o gosto pessoal.

E quais são os sintomas que podem estar relacionados ao Irlen, ou seja, o que me dá pistas que talvez eu tenha um desses casos dentro de casa?

Pessoas com Síndrome Irlen (crianças ou adultos):

  • Tropeçam com freqüência, são desastrados e deixam cair objetos;
  • Levam muito tempo para realizar leituras e para acabar a lição de casa;
  • Queixam-se de dores de cabeça, tensão ou cansaço na escola ou quando lêem;
  • Evitam a leitura ou não tem prazer em ler principalmente em voz alta;
  • Saem-se mal em testes cronometrados ou testes padronizados;
  • Lêem o começo do capítulo e os resumos ao invés de lerem o capítulo todo;
  • Tem mais facilidade em aprender nas discussões orais do que lendo;
  • Esforçam-se bastante para tirar boas notas, mas não conseguem;
  • Podem ser considerados preguiçosos ou desmotivados e sempre lhes dizem que poderiam render mais caso se esforçassem;
  • Tem problemas de fluência e compreensão da leitura;
  • Tem problemas de concentração durante a leitura ou escrita;
  • Distraem-se facilmente ao ler ou escrever;
  • Ficam distraídos ou apresentam desconforto quando estão num local com luzes fluorescentes ou brancas;
  • Entram em estado de devaneio durante a aula;
  • Não conseguem permanecer muito tempo fazendo tarefas acadêmicas;
  • Queixam-se freqüentemente de dores de cabeça, enxaqueca e outros sintomas físicos, tais como dores de estômago, tontura e fadiga;
  • Sempre que podem preferem ficar no escuro ou com fraca iluminação;
  • Sentem-se incomodados com a luz de faróis de veículos e com brilho em geral;
  • Apresentam desconforto visual ao usar o computador e terminam o dia exaustos;
  • Podem apresentar dificuldade ao olhar para listras ou xadrez;
  • Podem apresentar pouca noção corporal espacial ou dificuldade com degraus e escadas rolantes;
  • Têm dificuldade para pegar uma bola que lhes e atirada;
  • Na infância podiam apresentar tendência a brincar debaixo de móveis, dentro de guarda-roupa ou simplesmente com menos luz nos ambientes;
  • Apresentam incômodos também com o som alto ou alergias pelo corpo e principalmente nos olhos porque são extremamente sensíveis também nos outros órgãos dos sentidos;
  • Apresentam pouca coordenação motora grossa e fina.

Lentes são obrigatórias para quem tem Síndrome de Irlen

Outra coisa importante que você precisa saber é que as lentes são um recurso necessário porque o impacto do Irlen no desempenho de quem sofre deste quadro tende a impedi-lo de competir em igualdade de condições com seus pares, seja na escola, ou na vida adulta, uma vez que os sintomas se acentuam em locais lotados ou ruidosos, com excesso de movimentação, iluminação ou odores.

Direitos do portador de Irlen

Por isso esses pacientes são considerados portadores de necessidades especiais com direito a ajustes diferenciados conforme norma da Secretaria Especial dos Direitos Humanos ligada à Presidência da República. Assim conforme RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 2 de 11 de Setembro de 2001 em seu artigo 5º, inciso 8º e Inciso III, estes pacientes tem direito a adaptações curriculares, adequação das metodologias de ensino, flexibilização e diversificação do processo de avaliação, realizadas individualmente ou em grupo intra e extraclasse.

Outros direitos assegurados referem-se a mais tempo para realização de tarefas e provas; possibilidades de fazer provas em outros ambientes da escola (sala de orientação, biblioteca, sala de estudos em grupo, salas com iluminação ambiental adequada ou ajustada à luminância mais fisiológica para os casos de fotossensibilidade).

Além disso, as pessoas com Irlen devem receber as seguintes adaptações em casa, na escola ou até no ambiente de trabalho:

  • Posicionamento centralizado e na primeira fileira se possível, longe de portas e janelas para melhor monitoramento do trabalho e atenção, facilitando a aquisição de referências espaciais centrais e periféricas do ambiente;
  • Reforçar o uso dos óculos com os filtros especiais em tempo integral, inclusive em lazer e educação física, a menos que se trate de esportes com contato físico intenso com risco de danificá-los. Basicamente os óculos serão tirados apenas na hora do banho e para dormir;
  • Certificar-se de que não haja claridade excessiva ou reflexo de luz natural na lousa prejudicando a visualização pelo aluno;
  • Imprimir atividades e avaliações com espaçamento duplo, em letra tamanho 12 ou maior, do tipo mais legível possível principalmente na fase de adaptação (referente aos meses iniciais de tratamento dos óculos ou sob o uso de overlays);
  • Ampliar o tempo para realização de tarefas e provas, sem prejuízo de sua socialização no recreio ou momento de folga no trabalho.

 

Visite o artigo completo, no site da Marcio Luz, clique aqui.